DIA DOS PAIS

9 ago

Na data, nove de agosto de 2020, relembro aos amigos deste blogue, dez figuras paternas inesquecíveis, em dez filmes clássicos. Na ordem: o filme, o diretor, o ano de lançamento, o nome do personagem e o ator que o fez. Na foto, Harry Dean Stanton e Hunter Carson, em “Paris, Texas”.

 

Como era verde o meu vale, John Ford, 1941, Gwilim Morgan (Donald Crisp)

Ladrões de bicicleta, Vittorio De Sica, 1948, Antonio (Lamberto Maggiorani)

Pai e filha, Yasujiro Ozu, 1949, Shukichi Somiya (Chishu Ryu)

O pai da noiva, Vincente Minnelli, 1950, Stanley Banks (Spencer Tracy)

Vidas amargas, Elia Kazan, 1955, Adam Trask (Raymond Massey)

Gato em teto de zinco quente, Richard Brooks, 1958, Big Daddy Pollit (Burl Ives)

O sol é para todos, Robert Muligan, 1962, Atticus (Gregory Peck)

Hud, o indomado, Martin Ritt, 1963, Homer Bannon (Melvyn Douglas)

Pai patrão, irmãos Taviani, 1977, Pai (Omero Antonutti)

Paris, Texas, Wim Wenders, 1984, Travis Henderson (Harry Dean Stanton)

ALAN PARKER (1944-2020)

4 ago

Deixou-nos ontem, 31 de julho, o cineasta anglo-americano ALAN PARKER, autor de alguns dos melhores filmes da segunda metade do Século Vinte. Dos 25 que rodou, aqui destaco estes dez:

 

O expresso da meia-noite, 1978

Fama, 1980

Pink Floyd – The Wall, 1982

Asas da liberdade, 1984

Coração satântico, 1987

Mississipi em chamas, 1988

Bem-vindos ao paraíso, 1990

The Commitments – loucos pela fama, 1991

Evita, 1996

As cinzas de Ângela, 1999

 

LEITURAS DA QUARENTENA (8) AS CIGARRAS DE SÉRGIO

20 jul

Há poemas que me pegam pelo pé. Ou seria por outra parte do corpo, ou do espírito.

Foi o que se deu quando li pela primeira vez “as cigarras”, de Sérgio de Castro Pinto.

Entre uma aula e outra, eu estava, uma manhã, na pracinha da alegria da UFPB, conversando com o amigo André Ricardo Aguiar que, junto com Geraldo Maciel, fazia naquela época a Revista “Olho d´Água”. De repente, Ricardo tira da sua pasta uma folha de papel, dizendo, orgulhoso: “Olha que luxo, um inédito de Sérgio de Castro Pinto”.

Li o poema e, juro, a análise veio toda pronta na minha cabeça. Bateu-me um desespero de escrever e fui logo pedindo uma cópia a Ricardo que se recusou a dar, alegando que só podia se escrever sobre o poema depois de devidamente publicado. Eu não quis conversa: arranquei a folha das mãos dele e saí correndo desembalado para a Xerox mais próxima, com Ricardo protestando atrás de mim.

Longo e minucioso, o meu ensaio foi publicado, mais tarde, no Correio das Artes, e aqui não vou retomá-lo, mas apenas chamar a atenção para um ou outro aspecto do poema.

Como se trata de um poema sobre som (e música) o seu estrato fônico tem um destaque. As expressões “dós sustenidos”, o termo “guitarras”, mais os verbos /plugar-se/ e /recitar/, todos termos técnicos de uma mesma atividade, já estão dentro de uma isotopia musical, mas, não só eles. A expressão da sonoridade é mais sutil. Já começa com as similaridades fônicas entre as palavras “cigarras”, “guitarras” e mesmo “trágicas” e seus /aa/ e /rr/ reiterados.

Genial é o efeito conseguido com a repetição (e, como se sabe, repetição é coisa básica em música) do pronome reflexivo “se”, para onomatopeizar a voz das cigarras, e de sobra, permitindo a associação com as primeiras palavras do famoso poema do poeta inglês Rudyard Kipling, onde cada período se inicia com a conjunção condicional “Se”. Afortunadamente, pronomes e conjunções que são homógrafas e homófonas em língua portuguesa. Esse namoro irônico, delicioso e cruel com a música conclui-se com as rimas entre “vidros” e “moídos” e “pulmões” e verões”.

O resultado disso tudo é um encantamento que só a grande poesia pode propiciar. Dos “poemas animais” de Sérgio de Castro Pinto, acho que este é um dos mais elaborados, daqueles construídos com tal capricho que todos os seus detalhes confluem para um efeito específico, de modo a nada ficar fora do lugar. Desta coesão textual nem o título escapa. Notar como ele – à imagem das cigarras nas árvores – está “plugado” ao texto – no caso, como sujeito que é do primeiro verso.

Não preciso dizer que, no bojo do gozo estético do poema, me veio ao espírito a repetição sem fim de todo aquele “suicídio coletivo e barulhento” (título que dei a meu ensaio) das cigarras nos quintais da minha infância.

Por falar em infância, uma pergunta que lembro ter feito a propósito de “as cigarras” foi a seguinte: incluído mais tarde no livro de caráter infanto-juvenil, “Zoo imaginário” (2005), até que ponto o poema, com sua complexidade estrutural e apelo a um intertexto literário estrangeiro – poderia ser visto como um poema destinado a crianças e adolescentes. Questão que deixo em aberto, lembrando apenas que elementos essenciais à leitura infantil são geralmente a intuição e – por que não? – a curiosidade.

Enfim, sobre a obra poética de Sérgio de Castro Pinto escrevi e publiquei, em 1995, tese de doutorado e, até hoje, não paro de me encantar com seus poemas, os novos e os velhos, agora reunidos no livro “Folha corrida” (São Paulo: Escrituras, 2017).

Nessa tese, a semiótica de Michael Riffaterre me ajudou a destrinchar a linguagem, enquanto que a fenomenologia de Gaston Bachelard me forneceu asas para voar. E isso por quê? Porque, como se observa na leitura de “as cigarras”, a poesia de Sérgio de Castro Pinto é um misto inconsútil de construção e imaginação.