Giovanni Improtta

29 maio

Fazia tempo que não via um filme ruim. Digo: que não via por inteiro, até a última cena. Sim, a televisão está cheia de filmes ruins, mas, sabe como é, nos primeiros oito ou dez minutos a gente desliga, ou muda de canal. Já no cinema, é diferente.

Pois é, fui ao cinema ver esse “Giovanni Improtta” (José Wilker, 2013) que está em cartaz e, heroicamente, aguentei até o final do filme.

A vontade de sair pintou logo nas primeiras cenas, porém, se paguei para ver, não saio. Houve também a esperança de que, com o andamento da estória, o filme melhorasse, mas que nada! Pelo menos isso ele tem de interessante: é coerente – ruim do começo ao fim.

Giovanni Improtta poster

Inspirado no personagem de Aguinaldo Silva, o filme conta a estória desse bicheiro carioca, mafioso e truculento, que se diz “não um criminoso, mas um contraventor” e que quer, a qualquer custo, legalizar a sua situação – o que passa a lhe parecer possível com o boato da legalização dos cassinos. Estabanado por natureza, nem os colegas de profissão o respeitam, muito menos a amásia que, com um filho pequeno, vive debaixo do seu teto. Mandar matar e mandar flores para ele é a mesma coisa, só uma questão de circunstância: tanto é assim que um cunhado seu é alvo da primeira ordem, e a amásia, da segunda.

Assumidamente brega, caricaturesco e cheio de gags, o filme poderia ter sido uma comédia divertida, e, no entanto, não é. Não me arrancou um esboço de riso, nem de mim, nem – que eu tenha notado – da plateia presente.

O enredo é fraco, manjado e previsível, e pior, fragmentado e disperso, com a maior parte dos muitos personagens parecendo sobressalente, sem função actancial. Alguns deles são feitos por atores gabaritados (Othon Bastos, Milton Gonçalves, Hugo Carvana, Paulo Goulart…) o que nos passa a sensação de desperdício.

O roteiro quis fazer do protagonista titular o centro de tudo, mas se fez, já fez tarde, pois ele não é, nem um pouquinho, menos chato que o filme. Auto-dirigindo-se, José Wilker não convence ninguém como o próprio Improtta, personagem cheio de seus trejeitos manjados, sua dicção de ignorante e suas atitudes politicamente incorretas.

José Wilker: manjado trejeito na boca

José Wilker: manjado trejeito na boca

Prestem atenção: aquele enfadonhamente repetido trejeito de Wilker de rebaixar as extremidades dos lábios, fazendo surgir as duas rugas que saem dos lados do nariz até a boca – feito uma máscara de teatro – é algo ridículo e sem graça, um macaqueado que parece apenas do ator, e não do personagem. Com certeza, um simulacro do que ele já fizera na televisão, no mesmo papel, na novela “Senhora do destino” (2004). Outra coisa, também relativa à má construção do personagem: o vocabulário errado de Improtta (´gravidez´ usado como ´gravidade´, ´não se lembro´ ao invés de ´não me lembro´… etc) não se revela coerente com os outros momentos de sua fala, quando o português correto, inexplicavelmente, prevalece. (Escutem como ele pronuncia bem o termo ´contraventor´, puxando o /r/ final, como um professor de português).

E, enfim, as ações estapafúrdias do protagonista só são absurdas, no sentido negativo da palavra. Como o caso do macaqueado na boca acima referido, essas ações nos soam, incomodamente, como providências dos roteiristas do filme, e não do protagonista Giovanni Improtta. Por exemplo: levar a Escola de Samba ao enterro de um figurão; providenciar um transplante de rim para um inimigo figadal; carregar para a piscina de casa os colegas do filho que lhe estão fazendo bullying na escola…

Jô Soares faz uma ponta no filme

Jô Soares faz uma ponta no filme

Suponho que, no livro “O homem que comprou o Rio” (1970), em que supostamente o filme foi inspirado, tudo isso soa divertido e esteticamente necessário. No filme, nada – ou quase nada, e deixo ao espectador a busca desse “quase” – convence e a única coisa óbvia é que o grande ator do cinema e televisão brasileiros, José Wilker, em sua primeira experiência directorial, perdeu-se na confecção do conjunto.

Sem nenhuma coincidência, uma impressão é estarmos vendo a compilação de um seriado televisivo.

Um comentário final que sinto necessidade de fazer: no dia em que fui ao cinema, havia, entre os dez filmes em cartaz, quatro nacionais. Este é, historicamente falando, um bom percentual nosso (40%) para competir com a sempre cruelmente esmagadora hegemonia americana. E, entendam, não tem muita importância se, no meio desse percentual, há filmes de má qualidade. Afinal, pequena ou grande, uma cinematografia – na acepção de: produção conjunta de um país – é feita de filmes bons e filmes ruins.

“Giovanni Improtta” marca o seu ponto na fila dos segundos. Só isso.

O cineasta Carlos Diegues é um dos produtores de Giovanni Improtta, onde também faz ponta.

O cineasta Carlos Diegues é um dos produtores de Giovanni Improtta, onde também faz ponta.

Anúncios

3 Respostas to “Giovanni Improtta”

  1. Vitória Lima maio 29, 2013 às 2:16 pm #

    A Globo tentando reeditar um sucesso de televisão.
    Não gostei do personagem na novela (exageradamente histriônico) não tem porque iria vê-lo no cinema.

  2. Ramon maio 29, 2013 às 2:23 pm #

    João, Milton Nascimento está no elenco? Não seria Milton Gonçalves?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: