Vocês ainda não viram nada

12 jul

Por telefone, um a um, grandes atores e atrizes do teatro francês são convidados a comparecer ao enterro do dramaturgo Antoine D´Anthac, com o qual todos eles, em épocas diferentes, trabalharam em várias encenações da peça de Jean Anouilh, “Eurídice”.

Surpresa ao chegar à mansão do morto! Não há corpo a velar, e sim, um testamento visual, previamente filmado. Em tela de cinema armada no grande salão da mansão, a imagem de D´Anthac se dirige aos presentes e lhes propõe assistirem, nessa mesma tela, a uma nova montagem de “Eurídice”, encenada por uma trupe novata.

Até aqui, espaço, tempo e lógica estão respeitados no filme de Alain Resnais, exibido entre nós, “Vocês ainda não viram nada” (“Vous n´avez encore rien vu”, 2012), mas só até aqui.

Cartaz do filme de Resnais

Cartaz do filme de Resnais

De repente, para surpresa do espectador do filme, a plateia que assiste ao filme-testamento começa a participar da encenação que é mostrada na tela doméstica. De início são só fragmentos de falas que se repetem entre os atores, os da tela doméstica e os convidados do morto; depois, os espaços e tempos ficcionais se confundem, e os atores-espectadores viram personagens de uma peça maior cujo cenário se multiplica numa diegese indefinida e indeterminada. Os próprios papéis (Eurídice, Orfeu, amantes, familiares, etc) se reduplicam, já que, dentre os presentes, houve repetições de desempenhos, ou seja, dois ou três deles, fizeram um dia, no palco de D´Anthac, o mesmo papel.

Para complicar, uma curiosidade ainda não dita é que esses atores e atrizes convidados a viver essa experiência inusitada são pessoas reais, chamadas pelos seus nomes verídicos, cada um desempenhando o papel de si mesmo. Por exemplo, Michel Piccoli na peça a que os atores assistem é o pai de Orfeu, porém, no filme a que assistimos é Michel Piccoli mesmo.

Mistura de teatro e cinema, de ficção e documentário, de literatura e plástica, de linguagem e metalinguagem, o filme de Resnais surpreende até a quem está acostumado a sua eterna teimosia de inventar – isso desde o “Hiroshima, meu amor” (1959) até o penúltimo “Erva daninha” (2011), passando por – para citar só uns poucos, mais conhecidos – “O ano passado em Marienbad” (1961), “Providence” (1977), e “Melo” (1986).

Os convidados à mansão de Antoine D`Anthac

Os convidados à mansão de Antoine D`Anthac

Na peça-filme a que se assiste, a personagem de Eurídice, angustiada perante o seu Orfeu amado, repete várias vezes a expressão “é difícil”. Ora, a expressão vale para o espectador do filme de Resnais, que corre o risco de se perder na teia de intertextos e não conseguir manter em mente uma linha diegética que guie sua compreensão. Mesmo lembrando o enredo do mito de Orfeu, a dificuldade persiste.

Um elemento complicador a mais é que os roteiristas, o próprio Resnais e Laurent Herbet, não se limitaram a “adaptar” (entre aspas) um texto só, no caso o “Eurídice” de Anouilh, e com ele, misturaram o enredo de outra peça do mesmo autor, bem menos conhecida do público em geral, “Cher Antoine ou l´amour raté”.

Um corolário inescapável é que “Vocês ainda não viram nada” se torna um filme tão fácil de elogiar quanto fácil de destratar – a depender da inclinação estética do espectador. Ao fã do chamado “cinema de arte europeu” ele com certeza parece perfeito em seu exercício extremo de desconstruir a narrativa e se apresentar como “discurso”, naquela acepção que ao termo dão os teóricos da linguagem – no caso, a de ser um filme que, a todo instante, lembra ao espectador que ele está vendo um filme, digo, um artefato estético, e não a realidade.

Eurídice e Orfeu não podem se olhar de frente até o dia amanhecer

Eurídice e Orfeu não podem se olhar de frente até o dia amanhecer

Já para o fã do cinema clássico tradicionalmente narrativo, ele pode soar rebuscado e artificial, confuso e principalmente frio, na medida em que a estória que conta nunca toma corpo visível, o mesmo podendo ser dito dos seus personagens, que vivem dramas tocantes entre si, mas não para o espectador. Não ocorre a identificação e o envolvimento típicos do filme tradicional, que constrói uma diegese nítida e coerente onde os personagens parecem gente de carne e osso.

Neste particular, proposital ou não, uma pequena ironia se dá no desenlace, quando o falso morto (re)aparece e tudo se explica como uma modalidade altamente imaginativa de ´practical joke´, ainda que a ´anedota´ nada tenha de ´prática´. Neste momento final, o código do “cinema de arte europeu” é – suavemente que seja – quebrado e, se pensarmos nos dois modelos de espectador acima divisados, uma certa inversão de efeito pode talvez acontecer.

Uma coisa não pode deixar de ser dita: seja qual for o modelo de recepção, “Vocês ainda não viram nada”,  é uma obra convicta e séria, a pedir estudos igualmente sérios. Não apenas porque Resnais a fez aos noventa anos, mas porque ela resume uma das propostas de cinema mais originais do século.

Em tempo: na foto abaixo, o hoje idoso Michel Piccoli no papel do pai de Orfeu.

Michel Piccoli

Anúncios

2 Respostas to “Vocês ainda não viram nada”

  1. Andrés von Dessauer julho 12, 2013 às 3:17 pm #

    Olá João,

    A sua crítica enaltece o filme em tanto. As de São Paulo e do Rio foram neutras e frias. Vi o trailer e me lembrei que, muitos anos atrás, a temperatura do ‘Bad’ em Marienbad, não aqueceram os neurônios. Instalou-se o preconceito em relação a Resnais. Difícil sair dessa cilada. Mesmo juntando um elenco importante, parece que o canto do cisne não conseguiu reabrir as cortinas do palco. Fechado para reformas ? Cineasta em reformas é impossível.
    Mas caso um dia eu tiver mood e coragem, passarei o dvd. Caso contrário , assistirei no céu ou no inferno, o talvez último suspiro desse cineasta. O seu recomendado ‘Ship of Fools’ está na frente para ser revisto e + , pelo menos, outras 747 obras. Haja tempo !

    Domingo falarei 3 palavras sobre o ‘Segredo dos seus Olhos’ no ESTACINE e, depois, voltaremos para o ‘eixo’.

    Abraços,

    Andrés.

  2. Andrés von Dessauer julho 13, 2013 às 12:17 pm #

    Olá João,

    + 1 detalhe sobre o filme que só assistirei depois de 747 obras antes: o NINGUÉM VIU e ninguém vai ver (vide sua crítica acima) está no circuito em Recife. João Pessoa, como sempre, no ‘back-stream’ ou melhor ‘no-stream’ da 7ª Arte, só exibindo homens de ferro, aço, papelão, etc. – tudo chatices comerciais para débeis mentais.
    Tadinha da população: não existem opções para a mesma devido o duopólio existente na capital paraibana.

    Mas voltando para coisa + agradável: sua dica pela qual agradeço:, NAU DOS INSENSATOS. Como você, assisti este filme séculos atrás. Mas o mesmo conseguiu atravessar o tempo. Válido para comparações – você com Altman e eu com Fellini. Poderíamos ver se conseguimos montar algo no ESTACINE no segundo semestre quando estarei sempre por alguns dias em JP. Ou seja 3 filmes-comentados :
    1) a NAU ,
    2) alguma obra do Altman que você acha comparável e,
    3) a NAVE do Fellini sobre a qual eu me proporia falar , já que farei isso no Rio ou em SP até o final do ano.

    Que tal ?

    Revendo a NAU, o longa parece até + alemão do que americano, pois vive essencialmente dos diálogos. Apesar de alguns pontos fracos, como transferências de cenas; dramaticidade teatral excessiva do médico no final; abertura de muitas portas, sem , por vezes, chegar na essência das personagens, o filme é sem dúvida um grande incentivo para muitos cineastas elaborarem ideias, roteiros e personagens: é uma receita para um bolo a ser consumido em horas especiais, uma ‘Sachertorte’.
    Consigo ver uma trilha que vai até LES UNS et LES AUTRES.

    Abraços,

    Andrés.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: