Menores que nós

3 jul

Estamos em Belo Horizonte e a data é 19 de junho de 1950. Mais especificamente, o local é o Estádio de Futebol da cidade, o evento é o primeiro jogo da Copa do Mundo, e as seleções em confronto são a inglesa e a americana.

Lotando as arquibancadas, os mineiros e demais brasileiros presentes torcem com gosto pelos americanos e têm uma razão para isso: a seleção inglesa é uma das favoritas da Copa, ao passo que a americana, coitada, mal citada na imprensa, não constituirá perigo para o Brasil, quando ou se a ocasião chegar.

A partida é renhida e o resultado – surpresa para todos! – é “um a zero” para a desprestigiada seleção americana, cujos jogadores comemoram feito loucos, levando nos braços, campo afora, o autor do gol, Joe Gaetjens, o único negro do time.

0

Cinquenta e cinco anos depois, quem conta o fato é o cineasta americano David Anspaugh no seu filme de 2005 “Duelo de campeões”, título português pouco apropriado para o original, bem mais modesto, “The game of their lives” (‘o jogo de suas vidas’). Sim, pois, composta quase toda de jogadores inexperientes, a precária seleção americana não tinha nada de campeã, e, baseado nos fatos reais, o filme narra, desde o início, a sua problemática formação, com todos os duros percalços, até a zebra de 19 de junho em Belo Horizonte.

Tudo começou na pequena St Louis, Missouri, onde um grupo de rapazes, quase todos ex-combatentes na II Guerra e quase todos de descendência italiana, passava o pouco tempo livre de que dispunha, treinando esse esporte tão pouco popular nos States, lá chamado de “Soccer”. Ninguém sabe bem como, esse pessoal inexperiente e sem currículo esportivo é convidado a integrar a seleção do país, para a disputa da Copa do Mundo. Os familiares não vêem com bons olhos esse gosto por soccer, mas os rapazes enfrentam a oposição como podem. Um está de casamento marcado, o outro deve fazer curso técnico para seguir a profissão do pai, um outro tem medo de avião… No final, esses e outros problemas são contornados e Borghi, Bahr, PeeWee, Gloves, Pariani e Keough são levados a Nova Iorque para juntar-se ao resto da equipe.

Cheios de desentendimentos e pessimismos, os treinos em Nova Iorque não ajudam muito e, mais apreensivos que felizes, esses rapazes provincianos embarcam para o Rio de Janeiro, e, de lá, entre sambas e bandeiras verde-amarelas, para essa cidade de que nunca ouviram falar, de nome difícil de pronunciar, Belo Horizonte, onde, por azar, enfrentarão justamente a seleção que mais temiam.

Anspaugh faz questão de concluir a narrativa na euforia do gol em Belo Horizonte, até porque, como se sabe, foi este o único momento de glória da seleção americana naquela Copa. Depois disso, corta-se a narração para o tempo presente (ou seja, o ano de 2005), e, numa celebração na St Louis de hoje, mostram-se, documentalmente, alguns dos jogadores da heróica seleção, hoje idosos, mas sorridentes e orgulhosos de seu feito.

1

Obviamente, “Duelo de campões” tinha que ter aquele tom patriótico que tanto agrada às platéias americanas. Se os Estados Unidos nunca foram bons em futebol, a estória sobre o esporte bretão a contar tinha que ser esta, e exatamente até aí, o instante de um gol, pela diegese tornado mítico. Como anuncia o cartaz do filme “America´s finest moment in the world´s greatest game”: ´o melhor momento dos Estados Unidos no maior esporte do mundo´.

Não se trata, de modo algum, de um grande filme e a crítica concorda, por exemplo, em que está muito aquém do excelente “Momentos decisivos” (“Hoosiers”), filme de Anspaugh também sobre esporte que, em 1986, deu um Oscar de coadjuvante a Dennis Hopper. De fato, os personagens não têm densidade psicológica, ao desenvolvimento do enredo falta originalidade, e o desenlace é excessivamente previsível.

De qualquer forma, acho que “Duelo de campeões” é um filme interessante para o espectador brasileiro, especialmente para o amante de futebol.

Se não agradar muito enquanto cinema, agradará de outro modo. Não sei que resultado teremos nesta Copa de 2014, mas, como, de qualquer maneira, já somos penta, talvez, vendo o filme de Anspaugh, nos regozijemos com a ideia ufanista de que, pelo menos em um item particular, os imperialistas do planeta são menores que nós.

Por aí.

3

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: