Tag Archives: Marcello Mastroiani

In the fountain, with Anita

20 jan

Besides Fellini´s “La Dolce Vita” (1960), what other Anita Ekberg movies have you seen?

I asked friends and none had seen any. Some cinephiles were able to mention “Intervista” (Fellini, 1987) where, anyway, the recently deceased Swedish actress appears as herself, old and fat, with nothing of her once astounding beauty.

And, however, Anita is one of the most worshipped divas of the cinema.

6

The truth is: to be a diva a single role may be enough.

And hers was that one, I mean, the big tits and hoarse voice sensual Sylvia, the gorgeous blonde who invites Marcello into the waters of the Fontana di Trevi, in Fellini´s 1960 masterpiece.

One funny thing was, some of my friends confessed not even “La dolce vita” they had seen, and, nonetheless, (they could not explain why), they seemed to remember the Roman fountain scene.

Actually, the fact can be explained. The cinema, or rather, cinephilia, is not necessarily made of entire movies, but also of single images or scenes that sometimes impose themselves as recurring intertexts. That which elsewhere I once called “beloved images”.

For instance, recently two movies showed the Fontana di Trevi scene, by the way, not just showed, but made it the core of their fictional universe. They both told the romantic adventure of this old lady who dreams of meeting her perfect valentine and with him travel to Rome, just to recreate the emblematic fountain scene – if possible, including the little white cat and the glass of milk which is served to it.

An Argentina production of 2005, the first movie is the original one; a Hollywood production of 2014, the second one is its remake, both with the same plot and title, although not with the same artistic quality: “Elsa & Fred”.

Not to mention that, a couple of decades ago, in “Intervista”, the very same scene had been (re)exhibited, when a real Mascello Mastroiani, along with the whole film stuff, visits Anita´s farm house, and there, in the sitting room, with a fellinian magic power, reproduces the Fontana di Trevi scene, on a white sheet used as screen.

Anita and Mastroiani in Fellini´s masterpiece.

Anita and Mastroiani in Fellini´s masterpiece.

The fact that moviegoers do not recall other Anita Ekberg movies is understandable.

Although she was in 63 movies, very few, besides “La dolce vita”, are worth mentioning, “War and peace” (king Vidor, 1956), where she has a supporting role, is almost an exception.

I myself could only remember her in “Boccacio 70”, a film in four episodes, and in that also episodical bittersweet comedy by Vittorio DeSica, “Seven times woman” (1970), in which, anyway, the repeated woman is not herself, but Shirley MacLaine.

Only in checking over her filmography could I identify some of the her movies I had seen in the past: two comedies by Frank Tashlin, with Jerry Lewis and Dean Martin, “Artists and models (1955) and “Hollywood or bust” (1956), and the film she was making when Fellini found her in Italy: “Sheba and the gladiator” (1959), you know, one of those void Italian epics which were so often produced at that time, leading nowhere…

But, who cares? Anita Ekberg is the eternal diva whom we shall forever worship.

In the fountain, with Anita.

In the fountain, with Anita.

Amor e espaguete

2 jan

Não costumo ler bestsellers, mas, às vezes não é possível evitar. Um inevitável é este “Ontem, hoje e amanhã” (2014) que está em todas as vitrines, a autobiografia de ninguém menos que Sophia Loren.

Aproveitei a chatice do Natal para devorá-lo, o que fiz em dois dias seguidos, e não me arrependo. Uma pessoa como Sophia Loren não conseguiria, mesmo que quisesse, contar sua vida sem contar parte da história do cinema, uma história que, por tabela, também é nossa.

o livro

E para completar, o livro está bem escrito, com dosagens certas de informação privada e de informação pública. O que não é de domínio popular e o que já é, está tudo lá, bem dito e bem arranjado. Alguns dos tópicos mais interessantes são:

A infância pobre da menina Sofia (ainda com “f”) Sciocolone, em Pozzuoli, Nápoles, durante a guerra, toda ela marcada pela fome, uma fome tão grande que lhe gerou o apelido de ´Sofia palito´.

Na adolescência, os primeiros passos para a fama nacional, através da participação nas fotonovelas dos anos 50, ainda com o seu primeiro nome artístico de Sofia Lazzaro.

As primeiras pontas em filmes da Cinecittà, e o primeiro papel de protagonista, em 1957, na superprodução “Orgulho e paixão”, ao lado de Cary Grant e Frank Sinatra.

Agora já com o nome de Sophia Loren (com “ph”), a formação do trio famoso: ela, Vittorio De Sica e Marcello Mastroiani, que ela chama de ´os três mosqueteiros´. Como se sabe, com cada um dos dois, ou com os dois juntos, ela rodou inúmeros filmes, inclusive aquele que dá nome ao livro (“Ontem, hoje e amanhã, 1964), no qual ela executa um delirante striptease, ainda hoje comentado.

O Oscar por “Duas mulheres” (1961) e a projeção internacional, que lhe abre o caminho inevitável a Hollywood. E aí vamos ter os seus depoimentos emocionados dos primeiros contatos com gente do show business, que antes, ela só conhecia das telas. De Cary Grant (que, sem sucesso, a havia pedido em casamento depois das filmagens de “Orgulho e paixão”) até Charles Chaplin a lista é enorme.

O rosto latino perfeito

O rosto latino perfeito

Um espaço todo especial no livro vai haver para duas figuras que foram as mais decisivas em sua vida, a mãe e, mais tarde, o marido. A mãe foi uma bela mulher que, na juventude, lutou por uma carreira de sucesso, mas que caiu na armadilha de um amor não correspondido, e esse amor veio a ser o pai de Sophia, um homem ausente e mesmo hostil. O marido, que Sophia calorosamente denomina de “o homem da minha vida”, foi o produtor Carlo Ponti, vinte e dois anos mais velho, com quem se envolveu quando ele ainda era casado, e com quem viveu toda uma existência de amor e harmonia.

Pelo menos três grandes dramas são narrados com certa tristeza. Na ordem: o desejo frustrado de ser mãe, em dois abortos consecutivos, até ser finalmente ´curada´ da suposta esterilidade por um médico mais competente que o médico da família. O exílio forçado, quando a justiça italiana e a Igreja interpretam o seu casamento como bigamia, uma vez que Ponti, embora separado havia anos, continuava casado com a primeira esposa. E, já em idade madura, a prisão na Itália, por suposta sonegação de imposto de renda.

Um assunto recorrente no livro é a gastronomia, um prazer que advém da comidinha que a avó materna improvisava nos tempos duros da guerra. Sem coincidência, Loren é autora de um livro de receitas que ainda hoje é popular na Europa, o “Ricordi e ricette” (´Recordações e receitas´), acho que sem edição brasileira.

E por falar em gastronomia, passo a um episódio que não está no livro, mas que conheço de outra fonte e aqui menciono para explicar o título que, preservando a isotopia do afeto e do paladar, quis dar a esta matéria.

Em 2001, os ingleses fizeram uma votação geral para eleger a mulher mais bela do Século XX e, disparada, Sophia Loren ganhou. Entregue o prêmio, a imprensa a procurou para uma coletiva e, na entrevista, um jornalista fez a pergunta óbvia: como era que, naquela idade (então, setenta e sete anos) ela exibia tanta beleza e vitalidade? A resposta veio curta e fina: “Amor e espaguete!”.

Sophia em "El Cid".

Sophia em “El Cid”.

Voltando a “Ontem, hoje e amanhã”, um livro simples, sincero, sentido, escrito com a serenidade de quem soube – e sabe – viver. Com amor e espaguete, naturalmente.

 Se contarmos todas as suas aparições na tela, podemos dizer que, até o momento, Sophia Loren trabalhou em noventa e quatro filmes. Aqui faço seguir uma lista de dez que, de alguma forma, foram importantes na sua carreira e na boa lembrança que dela mantemos:

Desejo (Desire under the elms, 1958) de Delbert Mann, com Anthony Perkins e Burl Ives

Começou em Nápoles (It started in Naples, 1960) de Melville Shavelson, com Clark Gable

Duas mulheres (La ciociara, 1961) de Vittorio De Sica, com Jean-Paul Belmondo e Eleonora Brown

El Cid (1961) de Anthony Mann, com Charlston Heston e Raf Valone

Ontem, hoje e amanhã (Ieri, oggi, domani, 1964) de Vittorio De Sica, com Marcello Mastroiani

A condessa de Hong Kong (A countess from Hong Kong, 1967) de Charles Chaplin, com Marlon Brando

Os girassóis da Rússia (I girassoli, 1970) de Vittorio De Sica, com Marcello Mastroiani

A mulher do padre (La moglie del prete, 1971) de Dino Risi, com Marcello Mastroiani

O homem de La mancha (Man of La Mancha, 1972) de Arthur Hiller, com Peter O´Toole

Um dia muito especial (Una giornatta particolare, 1977) de Ettore Scola, com Marcello Mastroiani.

Com Mastroiani, em "Um dia muito especial", obra prima de Ettore Scola.

Com Mastroiani, em “Um dia muito especial”, obra prima de Ettore Scola.