Tag Archives: Meus amores no Rio

Meus amores no Rio

28 jun

Já aconteceu a vocês (re)assistirem a um filme exclusivamente por razões saudosistas? Digo, um filme que você sabe que não presta, mas que viu na infância e quer agora, através dele, reviver algum momento dos seus verdes anos?

Pois foi o que fiz esta semana, quando o canal TV Brasil incluiu na sua programação a exibição de “Meus amores no Rio” (Carlos Hugo Christensen, 1958).

Eu tinha cerca de doze anos quando o vi e, já nesse tempo, sabia que não estava assistindo a nenhum grande filme.

Cartaz brasileiro de Meus amores no Rio

Cartaz brasileiro de Meus amores no Rio

Acontece que eu era por demais acostumado ao melhor, e também ao pior, cinema americano, e não foi difícil perceber como “Meus amores no Rio” imitava aqueles filmes hollywoodianos que contavam estórias de viagens a países estrangeiros, onde tudo era estereotipado. Hollywood fez um monte desses filmes em que o destino do protagonista americano era, por exemplo, Roma, e aí todo romano falava gesticulando do mesmo modo, repetindo as mesmas gags, e dizendo os mesmos clichês.

Manjadamente “Meus amores no Rio” imitava esse modelo hollywoodiano e não se incomodava com isso, até porque tinha um bom pretexto: o de que a protagonista indicada no pronome possessivo do título, a moça argentina que visitava o Rio de Janeiro, era uma turista e, portanto, nessa condição, tinha direito ao óbvio.., ou seja, a visitar coisas como o Corcovado, o Pão de Açúcar, andar nas calçadas de Copacabana, passear de charrete em Paquetá, etc… Como no modelo imitado, junto com a paisagem vinham os tipos humanos e costumes locais mais esperáveis: o impetuoso playboy carioca, o pretinho tocando gaita, o guia turístico desinformado, a inescapável água de coco, e evidentemente, os números musicais.

O enredo é simples: em Buenos Ayres, uma mocinha participa de um programa de televisão em que responde sobre a cidade do Rio de Janeiro. Ganha o prêmio – uma semana inteira na cidade maravilhosa, com tudo pago – e se manda. No Rio, Helena vem a se envolver com três rapazes: o piloto do seu vôo, um playboy enxerido e um jornalista estabanado. Os três mexem com seu coração argentino e, no final da semana e da estória, ela deverá decidir com quem ficar.

A partir desta sinopse, é possível você construir o filme inteiro na sua cabeça, mesmo sem tê-lo visto, tão óbvio e previsível ele é. É só seguir as regras do modelo já referido. Você só não o constrói tal e qual se for um pouquinho criativo.

A água de coco que não poderia faltar

A água de coco que não poderia faltar

Infelizmente “Meus amores no Rio” tem algo ainda pior que o modelo imitado, que é a direção de atores, aliás, essa mancha na história do cinema brasileiro de uma maneira geral. Quem mais ou menos se salva é Jardel Filho, no papel do jornalista encarregado de orientar a bela argentina. Nota-se como ele faz esforços e às vezes consegue superar o clichê que lhe impõem. Outra que não está tão mal assim é a atriz argentina-brasileira Susana Freyre, por sinal, esposa do diretor Christensen, os dois havia algum tempo residentes no Brasil. De minha parte, ela me recorda uma atriz americana muito popular no seu tempo, chamada Dorothy MacGuire (de “Amores clandestinos”, 1959, lembram?)

Agora, vamos ao que há de bom.

O melhor de rever “Meus amores no Rio” é, evidentemente, o Rio. É que, com o passar do tempo o filme adquiriu esse lado – digamos assim – documental, e é uma delícia para os olhos poder retroceder no tempo e ver a paisagem carioca da época: a cidade muito mais tranqüila, com seu trânsito ainda viável, e sua forma de vida mais pacata. Nesse particular, automóveis e vestimentas são itens imperdíveis.

A outra coisa que torna o filme de Christensen relativamente revisitável é a música. Basta dizer que o arranjo musical do filme é todo do nosso Severino Araújo e sua orquestra Tabajara. E as músicas são de ninguém menos que Ataulfo Alves, Ary Barroso e Dorival Caymmi, entre outros. Uma gostosura é o número em que o próprio Ataulfo e suas pastoras, no palco do Copacabana Palace, executam um sucesso da época: “Pois é, falaram tanto, e desta vez a morena foi embora…” Coerentemente com o desmantelo do enredo, os números musicais (“Risque”, por exemplo) não têm nada a ver com o enredo do filme, mas, a essa altura dos acontecimentos, quem se importa com isso?

Enfim, rever “Meus amores no Rio” é como fuçar um velho álbum de fotografias – tudo horrível e ridículo, porém, adorável… se o seu propósito é curtir os tempos idos e vividos.

Eu curti, até porque 1958 – o ano do lançamento do filme – foi, nas palavras saudosas e certas do jornalista e escritor brasileiro Joaquim Ferreira dos Santos – “o ano que nunca deveria ter acabado”.

Cartaz argentino do filme de Christensen

Cartaz argentino do filme de Christensen

Viva o Rio

18 jul

A cidade do Rio de Janeiro, como é sabido, vem de ser eleita pela Unesco patrimônio da humanidade, na categoria ´paisagem cultural´. Os cariocas estão esfuziantes e, dentro desse clima de comemoração, gostaria aqui de relembrar, com os leitores, a imagem da cidade maravilhosa no cinema.

Se for para começar em nível doméstico, deixem-me dizer, primeiramente, que a história do cinema brasileiro literalmente inicia-se no Rio. Cento e catorze anos atrás, foi em 19 de julho de 1898 que o ítalo-brasileiro Paschoal Segretto, voltando de breve viagem a Roma e ainda no navio, munido de seu precário cinematografo, filma o quê? Sim, a Baía da Guanabara – registro pelicular que é considerado pela maioria dos historiadores a primeira filmagem ocorrida em território brasileiro.

Nas décadas mudas de dez e vinte, vários filmes seriam rodados tendo o Rio como cenário (inclusive o nosso primeiro longa de ficção – “Os estranguladores”, 1908, de Antônio Leal), porém, bem ou mal, creio que a grande decantação da cidade vai acontecer com as Chanchadas, nos anos quarenta e cinquenta. Cheias de malandragem, essas comédias semi-musicais vão passar, para o resto do Brasil, o espírito descontraído e alegre do carioca, como nunca seria feito em nenhuma outra fase do cinema nacional.

Uma coprodução Brasil/Argentina que promoveu a beleza da cidade na época foi “Meus amores no Rio” (1958), estória cheia de cores vivas de uma mocinha de Buenos Ayres que ganha o prêmio de visitar o Rio e aqui se envolve com três cariocas ao mesmo tempo.

Já nos anos sessenta a imagem do Rio se torna mais séria e, em alguns casos, mais trágica. Tanto com os filmes do Cinema Novo, quanto com os periféricos a ele.  Eis alguns desta década: “Esse Rio que eu amo (1961), “Os cafajestes” (1962), “Assalto ao trem pagador” (1962), “Cinco vezes favela” (1962), “Copacabana Palace” (1962), “A grande cidade” (1964), “As cariocas” (1966), “Todas as mulheres do mundo” (1966), “Opinião publica” (1967), “Copacabana me engana” (1969). O que, aliás, de alguma maneira, já começara nos anos cinqüenta, com “Rio quarenta graus” (1955) e talvez também com a coprodução Brasil/França “Orfeu de Carnaval” (1959).

Vou dar um salto no tempo, mas, deve ser daí que deriva o Rio violento e inóspito do cinema recente que a gente conhece tão bem em filmes como: “Central do Brasil”, “Cidade de Deus” e “Tropa de elite”.

Fico em dúvida onde pôr o desenho animado “Rio” (2011), mas, o seu assunto (gringos no Rio de Janeiro) me reporta à representação que a cidade maravilhosa recebeu no cinema estrangeiro.

Lamentavelmente, no tempo da Hollywood clássica, o Rio sempre apareceu como uma espécie de ´paraíso judicial´ para onde desejavam fugir todos os criminosos americanos ou europeus, depois de um grande golpe. Acho que, pelas estatísticas, só perderíamos para o México. Para não citar todos – pois a lista seria enorme – recordo apenas dois ou três.

Em “Tortura de uma alma” (cujo título original é “Rio”) um fugitivo da penitenciária da Ilha do Tubarão escapa para o Rio de Janeiro, onde vai encontrar a amante nos braços de outro (John Brahm, 1939). Durante a Segunda Guerra, o espião inglês duplo James Mason ludibria alemães e franceses para, com a grana na maleta, fugir de todos e vir residir no Rio de Janeiro (“Cinco Dedos”, Joseph Mankiewicz, 1952). O velho Hitchcock fez pior: imaginou o Rio como um reduto de nazistas, cascavilhando as montanhas Aymorés em busca de urânio, para fazer a bomba atômica, o que teria acontecido, não fosse a ajuda do casal espião Ingrid Bergman e Cary Grant, que vem morar – vocês lembram – numa Copacabana toda feita em back projection (“Interlúdio”, 1944).

Sim, vez ou outra, o Rio aparecia como deslumbrante cenário tropical de algum musical hollywoodiano cheio de beijos e risadas, como está, por exemplo, em “Voando para o Rio” (“Flying down to Rio”, 1933, Thornton Freeland). Porém, o número exíguo dessas comédias românticas não superou a má fama da cidade, apesar da posterior influência indireta da ´Brazilian bombshell´ Carmem Miranda.

De qualquer forma, aquelas referências ao Rio como ´paraíso judicial´ que, de bom grado, acolhia e encobria os contraventores do mundo, foram, com o passar das décadas, diminuindo e hoje em dia, para ser franco, nem sei que status o Rio ocupa na cabeça dos roteiristas estrangeiros. Tomara que, com a indicação da Unesco, algo menos ´cronicamente inviável´.

Em tempo: fui informado de que há um livro sobre o assunto; não tive acesso, mas, repasso a informação ao leitor interessado: “O Rio no cinema” de Antônio Rodrigues, Nova Fronteira, 2008.