Tag Archives: Nápoles

Francesco Rosi

26 jan

Nesse dez de janeiro, aos noventa e três anos, foi-se embora um dos grandes representantes da cinematografia italiana e um dos maiores cineastas do mundo: Francesco Rosi (1922-2015).

Natural de Nápoles, Rosi começou no cinema como roteirista e assistente de direção de Visconti, num tempo – começo dos anos cinquenta – em que a palavra de ordem ainda era “neo-realismo”.

Cena chave de "O Bandido Giuliano".

Cena chave de “O Bandido Giuliano”.

Nessa década já rodou dois ou três filmes, mas foi em 1962 que a sua assinatura na tela chamou a atenção do mundo: foi quando lançou “O bandido Giuliano” (“Salvatore Giuliano”). De repente, passou-se a falar de Rosi com o mesmo respeito com que já se falava de Fellini, Antonioni, Visconti, Zurlini, Bolognini e outros nomes de peso que viriam a fazer a fase áurea do cinema italiano, a saber, a década de sessenta.

Ao contar uma estória baseada em fatos reais, o filme tinha um efeito de impacto, ao mesmo tempo em que confirmava um estilo pessoal e superior, que o punha no nível das melhores realizações da época. Começando com o bandido Giuliano morto, a narração retrocedia para revisitar o caso, sem que, contudo, ficassem claros os percalços que conduziram ao destino trágico de um fora da lei que, estranhamente, seria julgado post mortem.

Lembro bem da repercussão que teve “O bandido Giuliano” por aqui, digo, em João Pessoa, apresentado nas sessões de cinema de arte do Cine Municipal, e discutido nos jornais locais pelos críticos que formavam a ACCP, a saudosa Associação de críticos cinematográficos da Paraíba.

"Crônica de uma morte anunciada", adaptando Garcia Marquez.

“Crônica de uma morte anunciada”, adaptando Garcia Marquez.

Infelizmente, os outros filmes sessentistas de Rosi, ou não chegaram aos circuitos locais, ou foram exibidos de forma obscura. O nosso reencontro com Rosi (pelo menos o meu) vai acontecer nos anos setenta, década em que ele vai enfatizar a faceta política que já estava presente em “O bandido Giuliano”.

Três filmes decisivos dessa fase são: “O caso Mattei” (1972), “Lucky Luciano” (1973) e “Cadáveres ilustres” (1976). Cabe lembrar que estes filmes se enquadravam na tendência política do cinema europeu de então e se alinhavam com obras de diretores como Costa Gavras (“Z”, “A confissão”, “Estado de sítio”), Elio Petri (“Investigação sobre um cidadão acima de qualquer suspeita”) e Louis Malle (“Lacombe Lucien”)…

Depois de um intervalo musical, com a filmagem da ópera “Carmem” de Bizet, em 1984, Rosi retorna à narratividade, agora com veio menos político e mais subjetivo em: “Crônica de uma morte anunciada” (1987), adaptação do romance de Garcia Marquez; “Armadilhas do poder” (“Dimenticari Palermo”, 1990) e “A trégua” (1997), seu último filme.

A crítica sempre destaca o óbvio lado político da obra de Rosi. De minha parte, meu encanto é com o seu lado mais humano, ou com a forma sutil como ele às vezes faz o político brotar do eu profundo ou apenas nele ressoar. Por isso, pulei, de propósito, um filme seu, de 1981, para comentário final, um que guardo como o meu preferido em toda a sua filmografia, que, aliás, não é longa: só vinte filmes.

O meu Rosi preferido: "Três irmãos".

O meu Rosi preferido: “Três irmãos”.

Vi “Três irmãos” (“Tre Fratelli”) numa sessão do extinto Cinema Tambaú, e quase saí do cinema chorando.

O enredo é o mais simples possível: já em idade avançada, morre a mãe dos três irmãos do título, homens feitos que não se viam havia muito tempo, cada um com uma estória de vida diferente, cada um carregando os seus demônios e os seus anjos de guarda. Um vem de Roma, o outro de Turim, o outro de Nápoles e o disfórico ponto de encontro é o velho sítio da família em afastada zona rural.

Quase nada acontece no cenário triste do velório, mas, ao longo do dia e da noite, os dramas, objetivos e subjetivos, do passado e do presente, se reacendem, e cada um dos três irmãos é obrigado a, de si para si, reavaliar sua existência, opções, atitudes, posicionamentos, incorreções, omissões, temores, aspirações, etc.

A cena mais comovente é quando, pesadelos e sonhos remoídos – não necessariamente em palavras, mas muito mais em gestos, olhares, devaneios… – vemos os três irmãos, cada um num compartimento diferente da pobre residência rural… aos prantos. E entendemos que aqueles três homens adultos não choram apenas pela morte da mãe idosa, mas, por toda uma “vida que poderia ter sido e que não foi”.

Um programa que adoro é, depois de uma sessão de cinema, sair para jantar fora. Naquela noite, porém, o meu peixe ao molho de camarão não me pareceu lá muito saboroso.

Rosi em ação.

Rosi em ação.

 

 

 

Anúncios

Amor e espaguete

2 jan

Não costumo ler bestsellers, mas, às vezes não é possível evitar. Um inevitável é este “Ontem, hoje e amanhã” (2014) que está em todas as vitrines, a autobiografia de ninguém menos que Sophia Loren.

Aproveitei a chatice do Natal para devorá-lo, o que fiz em dois dias seguidos, e não me arrependo. Uma pessoa como Sophia Loren não conseguiria, mesmo que quisesse, contar sua vida sem contar parte da história do cinema, uma história que, por tabela, também é nossa.

o livro

E para completar, o livro está bem escrito, com dosagens certas de informação privada e de informação pública. O que não é de domínio popular e o que já é, está tudo lá, bem dito e bem arranjado. Alguns dos tópicos mais interessantes são:

A infância pobre da menina Sofia (ainda com “f”) Sciocolone, em Pozzuoli, Nápoles, durante a guerra, toda ela marcada pela fome, uma fome tão grande que lhe gerou o apelido de ´Sofia palito´.

Na adolescência, os primeiros passos para a fama nacional, através da participação nas fotonovelas dos anos 50, ainda com o seu primeiro nome artístico de Sofia Lazzaro.

As primeiras pontas em filmes da Cinecittà, e o primeiro papel de protagonista, em 1957, na superprodução “Orgulho e paixão”, ao lado de Cary Grant e Frank Sinatra.

Agora já com o nome de Sophia Loren (com “ph”), a formação do trio famoso: ela, Vittorio De Sica e Marcello Mastroiani, que ela chama de ´os três mosqueteiros´. Como se sabe, com cada um dos dois, ou com os dois juntos, ela rodou inúmeros filmes, inclusive aquele que dá nome ao livro (“Ontem, hoje e amanhã, 1964), no qual ela executa um delirante striptease, ainda hoje comentado.

O Oscar por “Duas mulheres” (1961) e a projeção internacional, que lhe abre o caminho inevitável a Hollywood. E aí vamos ter os seus depoimentos emocionados dos primeiros contatos com gente do show business, que antes, ela só conhecia das telas. De Cary Grant (que, sem sucesso, a havia pedido em casamento depois das filmagens de “Orgulho e paixão”) até Charles Chaplin a lista é enorme.

O rosto latino perfeito

O rosto latino perfeito

Um espaço todo especial no livro vai haver para duas figuras que foram as mais decisivas em sua vida, a mãe e, mais tarde, o marido. A mãe foi uma bela mulher que, na juventude, lutou por uma carreira de sucesso, mas que caiu na armadilha de um amor não correspondido, e esse amor veio a ser o pai de Sophia, um homem ausente e mesmo hostil. O marido, que Sophia calorosamente denomina de “o homem da minha vida”, foi o produtor Carlo Ponti, vinte e dois anos mais velho, com quem se envolveu quando ele ainda era casado, e com quem viveu toda uma existência de amor e harmonia.

Pelo menos três grandes dramas são narrados com certa tristeza. Na ordem: o desejo frustrado de ser mãe, em dois abortos consecutivos, até ser finalmente ´curada´ da suposta esterilidade por um médico mais competente que o médico da família. O exílio forçado, quando a justiça italiana e a Igreja interpretam o seu casamento como bigamia, uma vez que Ponti, embora separado havia anos, continuava casado com a primeira esposa. E, já em idade madura, a prisão na Itália, por suposta sonegação de imposto de renda.

Um assunto recorrente no livro é a gastronomia, um prazer que advém da comidinha que a avó materna improvisava nos tempos duros da guerra. Sem coincidência, Loren é autora de um livro de receitas que ainda hoje é popular na Europa, o “Ricordi e ricette” (´Recordações e receitas´), acho que sem edição brasileira.

E por falar em gastronomia, passo a um episódio que não está no livro, mas que conheço de outra fonte e aqui menciono para explicar o título que, preservando a isotopia do afeto e do paladar, quis dar a esta matéria.

Em 2001, os ingleses fizeram uma votação geral para eleger a mulher mais bela do Século XX e, disparada, Sophia Loren ganhou. Entregue o prêmio, a imprensa a procurou para uma coletiva e, na entrevista, um jornalista fez a pergunta óbvia: como era que, naquela idade (então, setenta e sete anos) ela exibia tanta beleza e vitalidade? A resposta veio curta e fina: “Amor e espaguete!”.

Sophia em "El Cid".

Sophia em “El Cid”.

Voltando a “Ontem, hoje e amanhã”, um livro simples, sincero, sentido, escrito com a serenidade de quem soube – e sabe – viver. Com amor e espaguete, naturalmente.

 Se contarmos todas as suas aparições na tela, podemos dizer que, até o momento, Sophia Loren trabalhou em noventa e quatro filmes. Aqui faço seguir uma lista de dez que, de alguma forma, foram importantes na sua carreira e na boa lembrança que dela mantemos:

Desejo (Desire under the elms, 1958) de Delbert Mann, com Anthony Perkins e Burl Ives

Começou em Nápoles (It started in Naples, 1960) de Melville Shavelson, com Clark Gable

Duas mulheres (La ciociara, 1961) de Vittorio De Sica, com Jean-Paul Belmondo e Eleonora Brown

El Cid (1961) de Anthony Mann, com Charlston Heston e Raf Valone

Ontem, hoje e amanhã (Ieri, oggi, domani, 1964) de Vittorio De Sica, com Marcello Mastroiani

A condessa de Hong Kong (A countess from Hong Kong, 1967) de Charles Chaplin, com Marlon Brando

Os girassóis da Rússia (I girassoli, 1970) de Vittorio De Sica, com Marcello Mastroiani

A mulher do padre (La moglie del prete, 1971) de Dino Risi, com Marcello Mastroiani

O homem de La mancha (Man of La Mancha, 1972) de Arthur Hiller, com Peter O´Toole

Um dia muito especial (Una giornatta particolare, 1977) de Ettore Scola, com Marcello Mastroiani.

Com Mastroiani, em "Um dia muito especial", obra prima de Ettore Scola.

Com Mastroiani, em “Um dia muito especial”, obra prima de Ettore Scola.